Dificuldade em tomar decisões? Ir para o conteúdo principal

Para empreendedores e lideranças, tomar decisões estratégicas e resolver conflitos faz parte do dia a dia, mas isso não significa que seja fácil. Algumas decisões tendem a ser extremamente desafiadores e trazer fortes dores de cabeça para aqueles que são responsáveis por definir o futuro da equipe e da empresa constantemente.

Quando o líder sente muita dificuldade em tomar decisões acarreta diversos problemas para o ambiente organizacional como aumento dos conflitos, baixa confiança dos colaboradores na liderança, surgimento de lideranças informais que se desviam dos valores e crenças da organização, perda de oportunidade, queda na agilidade de resposta perante o cliente e o mercado, diminuição da qualidade da experiência na entrega do serviço e um alto consumo de tempo e dinheiro.

Leia mais: Pequenas mudanças que geram grandes impactos

Diversos fatores podem deixar os líderes paralisados ou mesmo acuados no momento de tomar decisões e definir os caminhos a serem seguidos:


• Uma cultura organizacional baseada no medo, com severas punições para aqueles que cometem erros, tende a diminuir a confiança de todos os colaboradores e em especial às lideranças, como suas decisões são estratégicas e impactam profundamente no funcionamento e rendimento do negócio, um erro pode gerar sérios problemas e acarretar punições, por isso tomar uma decisão torna-se cada vez mais assustador.

Solução: construir uma cultura organizacional pautada na confiança que estimula a contribuição e participação de todos.

Leia mais: Qual a Cultura Organizacional ideal para um mundo em transformação?


• Falta de confiança individual. Este problema é muito comum em lideranças e pode surgir tanto de um problema pessoal, baixa autoestima, ausência de clareza do Propósito de Vida ou até mesmo uma cultura organizacional que não incentiva, qualifica e bonifica corretamente os seus colaboradores, o que leva a um constante sentimento de “ser inadequado para o cargo” ou “incapaz de tomar uma decisão estratégica”. Os líderes que sofrem com a falta de confiança tendem a tomar muito tempo do empreendedor, pois exigem que ele participe em conjunto de cada decisão a ser tomada, dividindo assim as responsabilidades.

Solução: fortalecer as lideranças através do autoconhecimento, conectando-as com o seu propósito como líder, reforçando os seus talentos e o que tem de melhor para entregar para a organização.

Leia mais: Não perca os talentos da sua empresa


• O empreendedor centralizador e a falta de autonomia das lideranças para tomada de decisão. Neste caso, o empreendedor sente uma extrema dificuldade em “abrir mão” do poder de decisão, exigindo que tudo seja confirmado com ele antes de ser colocado em prática. Esta atitude gera grande limitação para as lideranças, que perdem muito tempo com pequenas tarefas diárias e lutam para manter o respeito da sua equipe, já que os colaboradores tendem a olhar para o empreendedor como a figura de autoridade e não o líder. Este cenário construído pela centralização do empreendedor acaba gerando para ele mesmo muito esforço e tempo focado apenas em pequenas decisões rotineiras deixando de olhar para o futuro do negócio.

Solução: fortalecer o empreendedor através do autoconhecimento, conectando ele com o seu propósito como líder, reforçando  e direcionando melhor seus talentos para contribuir com o que é mais relevante para o negócio e consequentemente delegando as atividades rotineiras do dia a dia para os líderes.

Leia mais: Como diminuir a solidão empreendedora?


• Empresas com hierarquias muito complexas, com diversos níveis e cargos, tende a deixar o processo de tomada de decisão extremamente difícil, isso porque a comunicação entre os colaboradores e lideres fica prejudicada, já que o número de pessoas a serem notificadas de um mesmo problema é muito maior. Além da perda da agilidade frente ao problema apresentado, acaba existindo uma confusão e um possível jogo de empurra-empurra para saber o verdadeiro responsável por tomar aquela decisão. Tudo isso reforça a Cultura do “eu”, aumentando os conflitos no ambiente de trabalho, gerando queda na produtividade, diminuição no tempo de resposta para as necessidades do cliente e consequentemente perda de resultados para a empresa.

Solução: reestruturar os processos da empresa repensando a jornada do serviço para avaliar a real necessidade das diversas hierarquias e ao mesmo tempo trazendo clareza dos papéis de cada colaborador e líder.  Também é necessário construir uma cultura que estimula a autogestão, a cultura do “nós” e a união de todos os colaboradores para caminhar em uma única direção.

Leia mais: O que processos tem a ver com conflitos?


• A ausência de clareza do Propósito Maior da organização é um dos principais pontos que gera a dificuldade da liderança no momento de tomar uma decisão frente às dificuldades que vão surgindo, o líder não tem um “norte” para se direcionar, não existe um conhecimento profundo das necessidades, objetivos e visão de futuro do negócio, desta forma o líder precisa buscar constantemente a opinião do empreendedor para decisões simples do dia a dia. Tudo isso acarreta maior sobrecarga para o empreendedor que acaba precisando participar de 100% das decisões, naturalmente diminuindo o seu tempo para pensar no futuro do negócio e consequentemente agravando ainda mais esta situação.

Além disso, com a ausência desta clareza do Propósito Maior, a cultura organizacional sofre com problemas internos resultando na ocorrência de todos os motivos listados anteriormente neste artigo, tamanho é o seu impacto para a organização.

–  As lideranças sentem falta de confiança;

–   O empreendedor tem dificuldade em delegar, pois não percebe nos seus líderes a capacidade de tomar decisões em prol do melhor para a organização;

–  Cresce a Cultura do “eu”, na qual cada colaborador foca no que é melhor para si, já que não existe um direcionamento maior que unifica todos eles para cumprir com este propósito;

–  Os papéis e responsabilidades para atender a demanda deste propósito não estão claros, o que leva a contratações que vão contra o restante da equipe gerando ainda mais conflitos internos e dificultando a entrega de uma experiência única e surpreendente para o cliente.

Solução: trazer clareza de Propósito para a organização e colocá-la em prática através da Cultura Organizacional, desta forma as decisões tornam-se mais claras e objetivas para as lideranças, pois elas saberão exatamente o caminho que estão seguindo com o negócio e se aquela solução se encaixa nos valores e crenças da organização, consequentemente todos os pontos mencionados acima passam a não existir mais: a cultura se fortalece, cresce o ambiente de confiança, as lideranças são mais autônomas, o empreendedor tem tempo e energia para focar no estratégico, a experiência para o cliente melhora e os resultados aumentam.

 Definir o Propósito da empresa é essencial para que as decisões sejam mais rápidas e assertivas, focadas no futuro do negócio e seguindo seus reais valores e crenças, deixando de lado a “cultura do eu”, onde os colaboradores e líderes tomam decisões baseados no que será melhor para eles próprios, para uma cultura mais colaborativa, com pessoas que trabalham por vocação e querem crescer ao lado da organização.

Leia mais: Não cuidar do propósito e do futuro do seu negócio: o que acontece?


Uma empresa onde as decisões são mais simples e acertadas com o caminho que o negócio deve seguir consegue resultados melhores e entrega produtos e serviços de qualidade que realmente solucionam dores dos consumidores.

E você, empreendedor ou líder, como está o seu processo de decisão e o que deve mudar para que isso melhore?

×