O reflexo crucial da saúde mental nas empresas - Instituto Mudita Ir para o conteúdo principal

A exaustão mental pode afetar o seu negócio. Em um mundo onde o esgotamento custa trilhões, é hora de repensar como líderes moldam a saúde mental nas empresas. Janeiro Branco é mais do que uma campanha, é uma conscientização necessária que deve ser perpetuada em todos os meses.

O mês de janeiro é o momento em que todos – pessoas e empresas – utilizam para realinhar as pendências, estruturar planejamentos e traçar metas para o novo ano. Como forma de honrar esse momento, é válido que seja repensada a qualidade de tempo gasto em algumas atividades que demandam energia física e emocional.

Este mês, devido a todos esses aspectos, é caracterizado como Janeiro Branco, campanha global destinada à conscientização da saúde mental e emocional, iniciada em 2014 no Brasil e que foi intitulada Lei em 2023.

O Janeiro Branco vem para trazer foco à importância de alinhar a saúde física com a emocional, como forma de evitar transtornos mentais gerados por estresse, que podem ser oriundos do trabalho. E como isto se faz necessário! De acordo com o relatório “The Age of Re-enchantment” (A Era do Reencantamento), da Wunderman Thompson Intelligence, as pessoas estão se sentindo esgotadas, embotadas e desconectadas do mundo à sua volta . E segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), os casos leves de transtornos mentais custam US$ 1 trilhão à economia global a cada ano em perda de produtividade.

Mas o que você e a sua empresa têm a ver com essa campanha?

“Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, apontou que 10,2% das pessoas com 18 anos ou mais receberam o diagnóstico de depressão. Analisando os dados dos óbitos que ocorreram neste mesmo ano, foram notificados 13 mil suicídios, sendo quase 12 mil casos em população de 14 a 65 anos. Destes, 10 mil casos ocorreram em pessoas em atividade de trabalho”. (fonte

E segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 30% dos trabalhadores têm transtornos mentais, que estão entre as principais causas de perda de dias de trabalho no mundo.

Os casos leves causam, em média, perda de 4 dias de trabalho/ano, e os graves cerca de 200 dias de trabalho/ano, o que se estima custar US$ 1 trilhão à economia global a cada ano em perda de produtividade.

A previsão é ainda mais assustadora: estima-se que até 2030 – segundo a Lancet Commission – os distúrbios mentais podem custar cerca de US$ 16 trilhões se medidas necessárias para tratar e reduzir os casos não forem tomadas.

Após vivenciar a realidade pandêmica, a saúde mental se tornou uma pauta ainda mais comentada nos ambientes corporativos, isso se deu, devido a percepção das empresas de que a organização depende de pessoas saudáveis para que elas possam executar um trabalho de qualidade e assim alcançar resultados efetivos.

A começar pelo próprio empreendedor. Pois muitos – por não terem apoio e conviverem constantemente com a solidão que o ato de empreender traz para a sua vida -, por muitas vezes se vêem perdidos, desmotivados e sobracarregados, e esse sentimento pode ser transferido para os seus colaboradores.

Não restam dúvidas de que a pandemia exacerbou a incidência de problemas psíquicos em geral. Pois, o estresse e a incerteza foram precursores do dia a dia de muitos profissionais. O excesso de trabalho, rotinas exaustivas e desgastantes, a relação próxima com a crise financeira gerou ainda mais sobrecarga para os empreendedores e seus colaboradores.

Após vivenciar esta realidade pandêmica, a saúde mental se tornou uma pauta ainda mais comentada nos ambientes corporativos, isso se deu, devido a percepção das empresas de que a organização depende de pessoas saudáveis – incluindo seus fundadores – para que elas possam executar um trabalho de qualidade e assim alcançar resultados efetivos.

Como o papel do líder pode influenciar o bem-estar do colaborador?

O Gallup mostra que o mau relacionamento com os gestores é o principal motivo para 75% das pessoas deixarem seus empregos e que 70% dos líderes não estão preparados para cumprir a sua função, gerando um prejuízo de mais de 300 bilhões de dólares na economia globalmente.  

O gestor, definitivamente não pode ser escolhido apenas por suas habilidades técnicas, é preciso que seja avaliada a maneira como esse líder irá lidar e impactar a sua equipe. 

É preciso ter em mente que a figura de autoridade da empresa tem que motivar e incentivar o seu time a alcançar bons patamares, tanto no âmbito profissional como no crescimento pessoal, e isso engloba a sua saúde mental e a de seus liderados.

O líder é um espelho para todos que o seguem. Se existe uma gestão alinhada, saudável e eficiente, muito provavelmente a equipe seguirá estas mesmas diretrizes.

Entretanto, quando o que preside a organização, não prioriza a sua saúde e não compreende que é preciso pôr limites em certas atividades, sem romantizar o acúmulo de trabalho, o ambiente ficará denso e toda a equipe sentirá os efeitos dessas decisões.

A empatia é uma qualidade primordial na construção de um ambiente sadio e, com certeza, ter um olhar mais zeloso consigo mesmo ajudará o líder a observar e agir da melhor maneira com o próximo. Por isso, é necessário que os gestores reavaliem suas condutas para não desencadear aversões em sua equipe.

Além de tudo, é muito importante que eles se mantenham atentos às relações interpessoais de seus colaboradores, evitando que o clima organizacional se torne tenso e afete de forma negativa a equipe. 

Recentemente, o Ministério da Saúde atualizou a lista de doenças relacionadas ao trabalho, oficializando: depressão, transtorno de ansiedade, síndrome de burnout e entre outras doenças relacionadas à saúde mental, como agravantes para o mal-estar dos colaboradores no mercado de trabalho.

Ao promover o bem-estar dentro da organização, o líder suaviza a pressão do dia a dia, ajudando os colaboradores a lidarem da melhor maneira com as suas emoções e evitando, assim, que elas se tornem um transtorno mental, como: ansiedade, cansaço excessivo, insônia, baixa concentração e desempenho.

Afinal, como as empresas podem contribuir para uma rotina mais saudável dos seus colaboradores?

A empresa tem o papel fundamental de promover um ambiente sadio. Para tanto, é preciso um passo antes disso: uma Cultura Organizacional que prioriza o olhar para a saúde, como um ponto essencial para o crescimento do negócio.

Quando o cuidado com o bem-estar do indivíduo é expressado nos alicerces de uma empresa, as ações se tornam naturais e os resultados são ainda mais expressivos.

Listamos abaixo duas das principais atitudes que podem ser trabalhadas na cultura da sua empresa, a fim de garantir maior qualidade de vida tanto para o empreendedor como para seus colaboradores:

  • Incentive momentos de descontração

Empresas atualizadas e com uma cultura bem estabelecida, estão apostando em momentos mais descontraídos, que de fato, as pessoas consigam se conhecer e estabelecer conexões genuínas, para além do profissional. 

Um bom exemplo seria rodas de conversas, pelo menos duas vezes ao mês, onde os colaboradores, líderes e empreendedores pudessem trocar experiências, expressar sentimentos e firmar uma relação muito mais amena dentro do ambiente de trabalho, equilibrando os níveis de estresse e frustração. Isso se dá pela aproximação que esses pequenos momentos proporcionam, melhorando potencialmente o clima organizacional, aumentando a motivação e a satisfação dos colaboradores. 

Essas ações também ajudam todos da empresa a se dispersar do trabalho, oxigenando a mente com conversas proveitosas e os relaxando, para que se afastem do esgotamento mental e exaustão.

  • Esteja atento aos colaboradores 

É fato que, atualmente, profissionais qualificados prezam por trabalhar em empresas que tenham uma cultura clara e que esteja alinhada com seus valores. Estar atento à sinais e tomar atitudes que aumentem a qualidade de vida do colaborador, faz toda a diferença no momento de mantê-lo saudável e afastar a situação de desgaste da sua organização.

Promova uma comunicação transparente e cuidadosa para que todos da empresa consigam se manter em um ambiente leve e equilibrado. Estar atento às necessidades da equipe e oferecer auxílio na resolução de problemas, melhora o dia a dia do colaborador e, consequentemente, auxilia no alcance de bons resultados para a empresa.

Entender que esse cuidado com a saúde mental, precisa existir do fundador até os demais integrantes da equipe, é isto que faz com que o processo de implantação de políticas de bem-estar seja muito mais efetivo. Lembre-se: empreendedor é o coração da empresa e se o mesmo não estiver saudável, muito provavelmente os seus liderados ficarão doentes também.

Então se observe e esteja atento à sua equipe, fornecendo a ajuda necessária para que a sua organização se afaste de situações difíceis e desfrute de muito sucesso!

E não só isso, repense todas as etapas do ciclo de vida do colaborador, desde a atração até o desligamento e considere os seus impactos na saúde mental.

Conte com o Instituto Mudita para receber auxílio estratégico na elaboração de novos preceitos de cultura e implementação de novas possibilidades. Entre em contato conosco através do nosso WhatsApp, será um prazer apoiar você e a sua empresa.

Quer ter acesso a mais conteúdos como este? Cadastre-se no nosso newsletter por meio deste link e fique por dentro do trabalho do Instituto Mudita, com acesso ilimitado e de forma gratuita!

Deixe uma resposta

×